31 janeiro, 2017

《Sci-fi entre Parênteses》7 Partículas literárias da Ficção científica

Foto autoral. Veja mais em @blogparenteses 

1. Os termos difundidos no Brasil para se referir ao gênero são: Ficção Científica, abreviado para FC e Science Fiction, abreviados para Sci-fi ou SF.

2. Livros Sci-Fi são facilmente identificados por sua própria maneira de falar sobre ciência. O gênero “brinca” com as implicações e consequências de dados científicos ou inovações tecnológicas, reais ou supostas. O “e se...” é levado muito a serio aqui!

3. Chegam a ser um tanto didáticos, mas não no sentido de explicar o que é a ciência ou ensinar amplamente conceitos científicos, embora isso possa ocorrer ocasionalmente. Mas amados companheiros de humanas: Não entrem em pânico! * O que os autores querem é difundir ideias, e não há nada que te impeça de se conectar com o enredo ou de se envolver com as discussões e questões apresentadas.

4. Engana-se quem acha que ao falar de ciência, o Sci-fi se restringe ás chamadas ciências “duras” (astronomia, física, engenharia, etc.). Você pode encontrar muitas obras que exploram as ciências "leves" focando suas teorias nas relações humanas e nas ciências sociais com temas que nos aproximam da psicologia, da antropologia e da sociologia por exemplo.

5. Frankenstein de Mary Shelley é a obra considerada fundadora do gênero que surgiu no Século XIX. Outras obras importantes para o surgimento do sci-fi são os romances de Júlio Verne e H.G. Wells, Utopia de Thomas More, e até contos de Edgar Allan Poe.

6. Sci-fi não é subgênero de Fantasia. (Gente, até uns dias atrás eu apostaria alto que era) Sci-fi é um gênero que possui suas vertentes e subgêneros e que ás vezes conversa com a fantasia na chamada Fantasia Científica (narrativa que mistura explicações racionais e místicas, ou seja, ciência e magia). Selecionamos livros de subgêneros variados pra ler e apresentar nos próximos posts.

7. Esse é um gênero que tem forte apelo com qualquer um que já se fez as perguntas mais persistentes nas obras sci-fi: De onde viemos? Pra onde vamos? Até onde somos capazes de chegar? E a minha preferida: O que nos torna humanos?

#ScifiEntreParenteses


08 janeiro, 2017

[Dica de Leitura] VIVIENNE WESTWOOD - A biografia

“Na busca por ideias, você começará a pensar, e isso mudará sua vida. E se você muda sua vida, mudo o mundo.” V.W.
Foto autoral Instagram @blogparententes

 
O autor Ian Kelly nos faz olhar para o mundo da moda a partir de suas percepções sobre a obra e a vida íntima da estilista Vivienne Westwood.

É delicioso ver o lado B da vida desta mulher que vai para o trabalho de bicicleta aos 73 anos de idade, um ícone cultural que sempre buscou desafiar a lógica convencional.

É também divertido acompanhar isso com o Ian e ver como ele se deslumbra nas suas primeiras percepções sobre um mundo que lhe é estranho. As descrições dele sob o mundo da moda carregam a suspeita original da maioria. Mas tudo bem, a ideia não é fazer entender a moda, é se fazer conhecer a cabeça de uma das mentes mais interessantes da cultura contemporânea: a da Vivienne Westwood.

Foi nisso que me ganhou, nos muitos dos relatos da vida de estilista e precursora do estilo punk que são feitos pela própria Viviane como coautora deste livro. As memórias de uma mulher de 73 anos ativamente inserida no mundo, é o que enriquece, e muito, esta obra biográfica.

Como não se deliciar com histórias da estilista que o transformou o alfinete em um símbolo político? Que abriu a primeira marca com roupas em couro, cheias de zíperes e calças rasgadas? “O punk tem a ver com uma estética, mas ás vezes acho que a única coisa boa que saiu dele foi a ideia de ‘Não confie no governo’ e que nesse meio-tempo tinha um visual incrível!”

Ao longo do livro vemos como seu espírito punk foi se transformando em ativista e como seu engajamento político tornou-se sua outra marca. Não disse que ela desafia a lógica convencional? Pois, bem, no livro ela exibe seu manifesto contra o consumismo intitulado: “Acabem com o capitalismo”.

A biografia revela ainda uma leitora muito assídua que afirma por diversas vezes seu amor aos livros em frases como: “Tudo gira em torno de livros na verdade.” “Minha continuidade é no que penso e no que leio”.

Comecei com um quote e vou finalizar com outro dos meus preferidos: “Há que se buscar a beleza. Em tudo. Todo o tempo. Em todo mundo.” V.W.


Nota: 5/5 

Informações técnicas:
Autor: Vivienne Westwood E Ian Kelly
Tradução: Helena Carone E Maryanne Linz
496 pp. 
Editora: Rocco / Selo: Anfiteatro