24 maio, 2014

[Resenha Crítica] A menina que não sabia ler

Uma intrigante viagem ao real e ao imaginário da mente humana.


Créditos da imagem: 500 Words for Everything 

Título Original: Florence and Giles
Autor: John Harding
Gênero: Ficção inglesa
Editora: Leya
Ano da publicação: 2010.

Sinopse: “1891. Nova Inglaterra. Em uma distante e escura mansão, onde nada é o que parece, a pequena Florence é negligenciada pelo seu tutor e tio. Até que um dia Florence encontra a biblioteca proibida da mansão. E passa a devorar os livros em segredo. Mas existem mistérios naquela casa que jamais deveriam ser revelados. Quem eram seus pais? Por que Florence sonha com uma misteriosa mulher ameaçando Giles, seu irmão caçula? O que esconde a Srta. Taylor? E por que o tio a proibiu de ler? Florence precisa reunir todas as pistas possíveis e encontrar respostas que ajudem a defender seu irmão e preservar sua paixão secreta pelos livros antes que alguém descubra quem ousou abrir as portas do mundo literário. Ou será que tudo isso não seria somente delírios de uma jovem com muita imaginação?”

John Harding, o autor do best seller  “We Did On Our Holiday” , ficção inglesa que foi adaptada para uma série de TV, é também crítico literário do Daily Mail e vive em Londres. Harding publicou em 2006 o livro “One Big Damn Puzzler”,  em 2010 “Florence and Giles” e, fugindo um pouco de ficções, ainda no ano de 2010 ele publica a biografia “Alex James -Life Of A Football Legend.  Neste ano de 2014 foi lançado a continuação “A Menina Que Não Sabia Ler 2 publicado pela Casa da Palavra.

O conto gótico é narrado em primeira pessoa pela protagonista Florence nos levando a ver os fatos só sob seu ponto de vista. Chega um ponto em que não há como saber o que é real e o que é imaginação dela e acabamos caindo num intrigante jogo de deduções.

Não posso começar a contar a estória contida no livro sem dizer : Florence and Giles  é com certeza um titulo muito mais apropriado! É evidente que o título em português quis se valer da fama de “Amenina que roubava livros”, o que atraiu muitos leitores, porém, acabou fazendo também, muitos se decepcionarem com o enredo. Tanto o título quanto a capa original são mais coerentes e buscam atrair leitores que se interessam por thillers, suspenses, contos de horror...  Este tipo de leitor, dificilmente se decepcionará com Florence and Giles.

A narrativa é um quebra-cabeça. O autor deixa pontas soltas por todo o enredo e vai juntado as poucos na segunda metade do livro. Isso pode fazer com que o inicio seja um pouco parado... Mas depois é impossível largá-lo até que se chegue a última página.  Fiquei satisfeita com o que li e se tentarmos fugir da visão de Florence, fica mais fácil juntar as peças do quebra-cabeça.

A trama, que se passa em 1891, navega por uma temática mórbida, protagonizada por Florence, uma orfã de doze anos, que mora com seu irmão caçula Giles, numa mansão inglesa. Florence passa o tempo com Glies e seus amados livros. Seu tio e tutor não apareceram na mansão, deixando as crianças aos cuidados de empregados que sob ordem expressas escondem dos órfãos, a enorme biblioteca que a mansão abriga.

Essa biblioteca é descoberta ao acaso por Florence que sempre foi  apaixonada por esse universo de histórias mas foi impedida de sequer aprender a ler (regra máxima prescrita pelo tio). Autoditada, ela conquista esse conhecimento e a partir deste momento, passa a viver uma vida dupla.  O único a quem ela confia este segredo, é Giles. De forma clandestina a garota mergulha cada vez mais fundo neste refúgio de livros. Seus autores preferidos são Shakespeare e Poe. 

Com a chegada de uma nova preceptora, Senhora Taylor, após a misteriosa morte da mulher que ocupava o cargo, as coisas torna-se cada vez mais complicadas e estranhas, a começar pelo carinho exagerado desta nova preceptora por Giles. A Senhorita Taylor, desperta na garota a imagem de todos os seus medos e terrores e se não bastasse, ela sente o irmão cada vez mais distante e envolvido pela preceptora. O que não agrada nada Florence que defender seus dois tesouros (Giles e os livros), não mede esforços.

Assim o autor vai revelando o quanto pode ser cruel o universo imaginário de uma criança legada ao abandono. Pude sentir que sabia o desfecho dessa estória já nos primeiros capítulos. Ledo engano!  Após terminar o livro passei dias pensando nos detalhes da trama com um "como assim?!!" preso na mente.

+ Curiosidades sobre o livro:


Pesquisei  para saber no que John Harding se inspirou para escrever tal conto , mas não encontrei nada...  Por outro lado é evidente a semelhança com o clássico “A outra volta do parafuso” de Hanry James. Com uma premissa parecida onde estranhos episódios ocorridos em uma casa de campo inglesa, onde duas crianças vivem com sua governanta e uma empregada. Henry James deixa a critério do leitor, decidir se está diante de uma verdadeira história de fantasmas ou do fruto da alucinação da governanta.  Aqui a ideia e a mesma: Tudo foi o resultado de alucinações de Florence?


+ Quotes do Livro A menina que não sabia ler:

Lembrei que uma vez havia cortado em duas uma carta - a rainha de espadas -, bem no meio, pensando em fazer duas rainhas de uma, uma imagem em cima e a outra embaixo, mas descobri que havia ficado sem nenhuma, com duas partes inúteis por si só, e pensei que era assim sem Giles, que era uma parte da minha pessoa.”  - Florence

"Ah, meu querido, eu poderia comê-lo!" - Sra. Taylor

+ Avaliação: 







8 comentários :

  1. Olá!
    Sou super suspeita para falar, pois este com certeza, é um dos meus livros favoritos. Eu comprei em uma promoção justamente por causa da semelhança de nome com "A menina que roubava livros" e também pela capa.
    Fui surpreendida pela história, e posso dizer que adorei.
    Confira a resenha que fiz dele: http://literalizandosonhos.blogspot.com.br/2014/01/resenha-menina-que-nao-sabia-ler-john.html
    Beijos

    Li
    literalizandosonhos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aline a capa é mesmo muito convidativa ainda mais para os amantes de livros. Vou lá conferir sua resenha também. Bjss

      Excluir
  2. Oi, tudo bom? Confesso que tenho graande medo de ler esse livro, porque tenho medo de me decepcionar. Fiquei apaixonada pela sua resenha, super curiosa, porém, quando cheguei no final, vi que você classificou ele em 3 corações, e me desmotivei de novo. Preciso ler um pouco mais sobre ele e ver o que faço haha
    Beijo
    entreeleitores.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jéssica, leia sem receio! O livro é muito bom (3 corações) poderia classificar como ótimo (4corações) caso a premissa não fosse tão igual a do clássico de Henry James, o que faz com que a história não seja tão original perdendo um pouco seu brilho. Mas repito, super recomendo a leitura! Bjs

      Excluir
  3. Quero tanto ler esse livro, ele está na minha wishlist há anos!
    Adorei a resenha
    http://www.gemeasescritoras.com/

    ResponderExcluir
  4. Esse livro eu comecei a ler em PDF, mas não continuei. Qualquer dia arrumo um tempo para continua-lo, gostei da resenha.
    http://singeloleitor.blogspot.com.br/
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Olá =)
    Estou com esse livro parado na estante e ainda não criei coragem para começá-lo. Espero que consiga lê-lo ainda esse ano. Adorei sua resenha.

    Beijos, Rob
    http://estantedarob.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Conheço muita gente que fala bem mal da história e isso sempre me desanima com relação ao livro, entretanto eu já vi ele aqui na biblioteca municipal e quando der quero pega emprestado.

    memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito bem vindo.
Leia , pense, se expresse!